Câmara Municipal das Lajes das Flores

Loading

Notícias

Economia - De nervos em franja

Domingo, 20 de Maio de 2012

Economia - De nervos em franja

Uma palavra? Grécia. É lá que o destino dos europeus se joga - ou é jogado para o chão. O nervosismo alastrou-se nos mercados, atingiu Espanha, França e, é claro, Portugal. Por cá, a economia segue menos mal e o desemprego pior. Em contrapartida, a Alemanha tem crédito mais barato do que nunca. E o Facebook já vale um balúrdio em Bolsa. Viagem do que marcou a semana através das notícias do Negócios.

Euro, um jogo frenético

Grécia sim, Grécia não, Grécia talvez, Grécia sobe, Grécia desce, Grécia, Grécia, Grécia. A semana noticiosa foi dominada pela instabilidade política, social e financeira na zona euro.
Desde as eleições de 6 de Maio que a Grécia está em impasse político: à beira da ingovernabilidade.
Se já está perdido com tudo o que se passou, pode ler o ritmo acelerado dos dias mais importantes desde então aqui, aqui e aqui. Esta semana, o fio noticioso prosseguiu aqui, num processo que foi concluído com Pikramenos empossado primeiro-ministro interino da Grécia. Na segunda-feira, foram levantados 700 milhões de euros de depósitos gregos, o que fez recear pelo colapso dos bancos. No mesmo dia, uma sondagem voltou a dar Syriza como o mais votado - mas também que 80% dos gregos quer o euro. Depois, começaram os avisos de todos os lados: Krugman diz que Grécia pode sair do euro no próximo mês, a "Der Spiegel" diz que essa saída já não pode ser adiada e Angela Merkel afirmou que "Solidariedade só acaba quando a Grécia declarar que não vai respeitar o acordo" e o FMI admite a saída controlada. De repente, a saída da Grécia do euro passou a ser uma questão de "quando?". (Veja aqui qual é o caminho de uma eventual para essa saída.) A verdade é que o país pode ter problemas em pagar salários e reformas já em Junho. Os efeitos colaterais estão a ser imediatos. Os juros de Portugal e de Espanha subiram, sendo que Portugal está na linha da frente do contágio grego. No mesmo dia em que se soube que a Grécia já tem primeiro-ministro por um mês, o Banco Central Europeu confirmou que suspendeu financiamento a alguns bancos gregos. As forças de pressão continuam. O Syriza, partido que lidera as intenções de voto para as próximas eleições, diz querer a Grécia dentro da Europa e dentro da Zona Euro, mas o seu líder ameaça não pagar dívida à Europa se financiamento à Grécia for cortado. As reacções prosseguiram até ao final da semana. Nouriel Roubini é da opinião de que a Grécia deve abandonar o euro. Miguel Frasquilho avisa que "estamos à beira de uma catástrofe económica e financeira", numa conferência on de Luís Amado foi mais longe: "A Europa está no fio da navalha e já não tem muito tempo". Enquanto isso, soube-se que seis países do euro persistem em recessão. E a Alemanha emite dívida ao custo mais baixo de sempre...

Banca, um sector em queda
Os efeitos colaterais da crise grega também acentuaram o movimento negativo da banca nacional. Na semana em que passou a ter em bolsa as acções do
aumento de capital, o BES registou várias sessões de quedas acentuadas para mínimo histórico, penalizado também pelos resultados do primeiro trimestre, que falharam as previsões do mercado. A tendência de queda nos resultados da banca portuguesa não se regista apenas no BES, já que também CGD, BCP e BPI só tiveram lucros graças a extraordinários. O banco liderado por Ricardo Salgado não irá recorrer às ajudas do Estado, numa altura em que a portaria que regula a recapitalização do sector com dinheiros públicos, que define um desconto de 35% na compra das acções, está já publicada.
Na banca espanhola as más notícias também se avolumaram. Uma alegada corrida aos depósitos do Bankia fizeram as acções afundar e foram 16 os bancos do país a ver o seu rating cortado pela Moody's. A situação difícil do sector financeiro leva o primeiro-ministro a temer que mercados deixem de financiar Espanha e os analistas a estimar que o pais terá que avançar para um pedido de ajuda.

Economia a recuperar, desemprego a subir
Na economia portuguesa, as noticias da semana podem ser encaradas positivas para os optimistas e negativas para os pessimistas. Se a recessão abrandou no primeiro trimestre, o desemprego atingiu um recorde no mesmo período. A queda de apenas 0,1% no PIB no primeiro trimestre surpreendeu os economistas, que já estimam uma quebra na produção abaixo de 3% este ano. No lote das notícias positivas, a a Fitch concluiu a que o ajustamento de Portugal está a ter início "promissor" e que Portugal é o único país sob assistência onde depósitos aumentaram. Em Portugal, Esta foi também a semana em que o Governo atacou as rendas excessivas na energia, que originou ameaças por parte da Endesa, e uma reacção amigável da EDP. Na Europa, a semana fica marcada pelo esperado encontro entre Merkel e Hollande, que não teve beijos, mas foi imune a um raio.

Fonte:jornaldenegocios

Retroceder

Documentos

Consultar Arquivo

O tempo nas flores

Projecto Climaat - Webcam
Webcam Projeto Climaat
Spot Azores
Spot Azores